LEGENDA DA BISAVÓ DE JESUS CRISTO

 

Um estudante encontrou um raro manuscrito que narra a vida da Bisavó de Jesus Cristo. O documento foi descoberto por Catarine Lawless, uma professora da História na Universidade de Limerick, contendo dois manuscritos dos séculos XIV e XV, na Florença em Itália. Porém, algum tempo depois, fazia crer que o tal documento revelava uma nova luz sobre a família da Virgem Maria. – Será que a dita obra é por acaso uma ficção ? – Não existe nenhuma evidência bíblica que apoia a asserção do tal manuscrito, de que realmente Isméria seria mãe de Sant’Ana, que mais tarde deu à luz Maria. Porém algumas fontes medievais sugerem que Isméria podia ter sido irmã de Ana.. Em vez disso Lawless suspeita que a tal história poderia ter sido inventada por uma ordem religiosa, como uma legenda de moralidade, que pretendia que as professoras de Florença fossem boas viúvas.

Os Manuscritos analizados por Lawless mais tarde, relata que a adorável Isméria, era filha de Nabão, do povo da Judeia , e da tribo do Rei David, casada com o Santo Lísio, descrito como sendo um patriarca do povo de Deus.

Como sinal da sua piedade, Isméria solicitou ao Lízio que, após o matrimónio, eles iriam à cama matrimonial apenas uma vez ao mês, e que durante o mês de jejum sagrado, eles evitassem cada um completamente.

                                                      Eles viveram juntos durante 12 anos em grande alegria e em penitências. Tiveram uma

                                                        linda e adorável filha, a quem deram o nome de Ana. Doze anos mais tarde, Lízio morreu

                                                       e Isméria de bom grado, permitiu que os seus parentes ficassem com toda a sua fortuna

Reduzida à pobreza, Isméria procurou um lugar num hosptital , onde ela realizou dois milagres de Jesus. Primeiramente, ela fez que um homem surdo-mudo ouvisse e falasse. Também ela encheu um pequeno tanque com peixes, para alimentar os pacientes do hospital. Satisfeita, com os tais actos de expontânea geracão de peixes, ela refugiou-se no seu abrigo onde orava a Deus que a libertasse da vanglória deste mundo. Após a sua morte, os anjos prontamente levaram sua alma ao Paraíso. A história conclui que Maria, Jesus, Maria Magdalena, os doze apóstolos e mais outras pessoas foram apressadamente ao hospital e levaram o corpo dela.

Foi por esta razão que a Sociedade Florentina queria que suas mulheres se comportassem como Isméria. Pois, o casamento era um acto sério, para as famílias da Cidade-Estado .

O manuscrito coloca uma certa ênfase sobre o facto de que Isméria realmente aceitou de se casar, para ser obediente à vontade de Deus. Também a história contem importantes lições de como as mulheres devem-se comportar com os seus maridos. E segundo a lei florentina, as mulheres que ficavam viúvas deveriam restituir os seus dotes.

Como uma casta e perfeita mulher, Isméria optou por não se casar de novo, e nem privar sua família dos seus bens. Então ela achou por bem se retirar alegremente, para um hospital, e permitiu que seus familiares ficassem com suas riquezas.

A moralidade do conto, fora escrita, para assegurar que sua mensagem fosse difundida através da Florença. A cidade tinha boas histórias literárias, e sabe-se que esses tipos de manuscritos circulavam de casa em casa..Lawless disse: < A audência principal era que cada uma pudesse respeitar as classes médias, tais como os comerciantes de especiarias, notários públicos e médicos. Sabe se que um número importante de mulheres liam esses jornais, e que também muitas copiavam os manuscritos, para uma maior divulgação.

A história da santa Isméria nas fala muito sobre a árvore geneológica de Jesus, e também proporcianava grande descernimento para a vivência das mulheres iatalianas e para mante-las castas.

,

                                                                                                             *      *      *      *      *

 

                                                                                     SINCERAMENTE   SOU,     O   PUPILO   DAS   MUSAS.

Laisser un commentaire