A ILHA   DA   ATLÂNTIDA.

(  Caros amigos leitores, vos deixo saber que este artigo tambem se encontra em Esperanto e em Frances. )

 

Tenho a vos dizer que segundo os dois dos seus diálogos, Platão nos conta, que segundo Solon, quando viajou para o Egípto, ele interrogou os Sacerdotes, e aconteceu que um deles, que vivia em Saís, no Delta do Nilo, lhe deixou saber sobre as antigas tradições concernentes a uma guerra levada a cabo pela deusa Atenas, no delta do rio Nilo, contra o povo da Atlântida..

Pois, segundo o Sacerdote egípcio, os atlantidas viviam numa ilha que se estendia à frente das Colunas de Hércules, logo à saída do Medeterrâneo, que se entra no Oceano Atlântico. Na altura em que os deuses partilharam entre eles a Terra, Atenas ficara a pertencer à deusa Atena, e a Efaesto, enquanto que a Atlântida ficou sob o domínio de Poseidon.

A ilha de Atlântida era grandemente rica, tanto pela sua flora como pelos seus tesouros minerais. Havia ali, em abundância, não apenas ouro, cobre, ferro, etc, etc, mas também havia oricalco, um metal misterioso que brilhava como o fogo. Os reis da Atlântida construiram explêdidas cidades com pontes, canais de passagens complicadas, que muito facilitavam a defesa do comércio.

Em cada uma das dez circunscricões, reinava os descendentes dos dez reis primitivos, filhos de Posídon e de Clito. Clito era uma donzela, que cedo perdera os seus pais, conhecidos por Evenor e Leucipe. Clito morava no montanha central da Atlântida. Poseidon teve com ela cinco pares de gémeos, e o mais idoso era Atlas, que mais tarde reinou sobre a montanha central, de onde exercia o seu poder.

Os descendentes de Atlas eram suzeranos. Todos os anos eles se reuniam na capital, onde praticavam um ritual, no qual abundavam carnes de touros e comungavam, bebendo o sangue dos animais degolados.

Os Atlantes tentaram várias vezes dominar o Mundo, mas sempre foram derrotados pelos atenienses, cerca de nove mil anos antes de Platão. Segundo Platão, os atlantes e a sua Ilha desapareceram, para sempre, submergidos por um grande cataclismo.

 

Sinceramente sou,   O   PUPILO   DAS   MUSAS.

Laisser un commentaire